terça-feira, 6 de setembro de 2016

Sekai ichi muzukashii koi

J-drama estrelado por Ohno Satoshi, Haru, Sugimoto Tetta, Koike Eiko e Kitamura Kazuki



Queria começar com HSUAHSUAHSUA de tanta vergonha alheia que tive, sem falar das caras e bocas que o mocinho fazia. Assim é difícil não rir. E por falar nele, o mocinho desse drama é Samejima Reiji, o presidente da Samejima Hotels. O rapaz tem uma personalidade difícil, mas diferentemente dos mocinhos costumeiros de dramas, ele não faz a menor ideia de que tem uma personalidade ruim de lidar. Muito ruim. E ao contrário de sua secretária que falou que a franqueza dele era o problema, eu gostaria de dizer que o grande problema dele é não levar em consideração os sentimentos das outras pessoas. Não é o que ele diz, é como ele diz. Sem falar que ele é arrogante, infantil e imaturo.

Mas eis que ele se apaixona por Shibayama Misaki. E por causa dos sentimentos dele por ela, ele começa a mudar. Tudo bem que no começo, ele faz isso só para subir no conceito dela, mas aos poucos percebe que suas ações positivas causam nas pessoas extrema felicidade. Poxa, é tão legal quando se tem um chefe que reconhece o seu trabalho e tem uma atitude bacana em relação a você. E o eu dele de antes não dava nem bom dia para os funcionários e só sabia dizer "está demitido" quando algo não saia bem.

Ele tem um relacionamento próximo com o motorista, Katsunori e a secretária, Maiko. São eles que embarcam nos planos dele e dão conselhos sentimentais à ele. Gosto muito dos dois personagens, eles são bem carismáticos e a interação entre eles é natural como se fossem amigos há milênios. Reiji também tem uma relação de amor e ódio com o Wada. Wada é presidente de um grupo de hotéis considerados os top do Japão. E nosso presidente do Samejima Hotels quer derrotá-lo a todo custo. Ele é um personagem para favoritar nesse drama e shippar muito com a Maiko q q teamWaMa. Ele tem uma personalidade brincalhona, as vezes passava do limite, e sedutora além de ser o cara com melhor bronzeado de todos os tempos no mundo dos dramas.

As expressões que Reiji faz quando algo dá certo são tão engraçadas e fofinhas ao mesmo tempo. Faziam o personagem parecer mais inocente. Ele é um cara inocente, apesar de tudo, e de lua. Já Misaki é uma jovem bastante peculiar e que sonha alto, mas seus planos não ficam só no papel. Ela corre atrás daquilo que quer. E bebe muito leite. Como bebe leite. Não é que desgoste dela, mas a personagem não me cativou, não como a Maiko que é secundária. O drama é agradável, sem grandes reviravoltas ou estresse. É para quem gosta de comédia romântica light.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Nobunaga concerto - o filme

Filme japonês estrelado por Oguri Shun, Shibasaki Kou, Osamu Mukai e Yamada Takayuki


Recomendações: Não assista o filme antes do drama porque não é versão condensada e sim continuação da história. Já escrevi sobre o j-drama aqui. Não leia se não tiver assistido o drama, pois trará alguns spoilers do mesmo.

O enredo se passa em 1582. Saburo já estava há muito tempo no passado como Oda Nobunaga. Entretanto ele não fazia ideia de como esse detalhe era importante, já que é o ano em que o líder do clã Oda foi assassinado por Mitsuhide Akechi. Quando ele descobre começa uma guerra interna e até perca momentânea de espírito. Porque saber que a qualquer momento você pode ser assassinado não deve ser fácil e a falta de conhecimentos históricos dele vão guiar o suspense. E para quem conhece um pouco de história do Japão e sabe o desfecho de Oda, aka eu,  fica tenso porque não sabe ao certo o que o enredo do drama vai seguir. Vivi uma  angustia sem tamanho, cada minuto, cada segundo, meu coração sincronizou com o do personagem, o meu conhecimento e a falta deste por ele se misturavam.  

O drama e o filme se passam nos anos turbulentos, período chamado de Sengoku. O Japão não havia sido unificado e é um processo começado por Oda Nobunaga. É para esse período que Saburo¹ volta. Após Oda, o nome que se ergue nesse processo de unificação é Hideyoshi. No drama Hideyoshi tem como outro nome Denjiro. Ele participou do complô contra Oda. Entretanto não sei se essa parte é só ficção ou se é algo comprovado historicamente. Outro ponto, é que a Kichou chama Saburo de tolo o  tempo inteiro, mas o líder do clã Oda, na vida real, realmente era conhecido como tolo de Owari². Lembro que tinha começado uma série sobre a Kichou e nela Oda Nobunaga era retratado dessa forma, como 'tolo'.  Na verdade já assisti alguns dramas com Oda sendo observado sob luz diferente. Num ele era cruel demais (bate com a personalidade do verdadeiro Oda desse drama), no outro tolo, mas ao mesmo tempo sábio (bate com a personalidade do Saburo, só que eu não o chamaria de tolo).

A questão que ficou na minha cabeça no último episódio do drama foi respondida no filme de maneira satisfatória. Agora conhecemos mais dos antagonistas, quem era o verdadeiro Oda e quem era o Denjiro, o por quê deles se comportarem daquela forma. Para mim é bem difícil falar sobre e eu pensei seriamente em não postar nada porque não conseguia escrever. Não sabia como começar ou o que falar. Considero um dos melhores trabalhos do Oguri e que todo mundo deveria assistir. O drama casa perfeitamente com o filme, que traz um ótimo desfecho para a obra. Não é o desfecho que eu esperava, mas que fez muito sentido e ainda assim foi bom. 



¹Oda Nobunaga também é conhecido como Saburo. 
²É uma província
*obs: Os fatos históricos mencionados acima são com base nos filmes que já assisti sobre o período e textos que li. Se tiver alguma coisa que não esteja certa avise-me por favor :)

domingo, 21 de agosto de 2016

Good morning call


J-drama estrelado por Shiraishi Shunya, Fukuhara Haruka, Sakurada Dori, Arai Moe, Kentaro, Nagashima Shugo e Koya Nagasawa 




É um drama baseado no mangá com o mesmo nome criado por Yue Takasuka. Yoshikawa Nao e Uehara Hisashi não tem nada em comum, a não ser o endereço. Os pais de Nao se mudam para o campo e como ela ainda é estudante, resolve morar sozinha. Já Hisashi é um rapaz independente, seus pais faleceram e ele não quer viver com o irmão. Por causa de uma fraude imobiliária os dois se veem obrigados a morarem juntos.

Lembro de ter assistido a OVA e depois ter lido o mangá há milhões de anos e por isso quando vi o anuncio de que fariam uma série de TV baseada na obra fiquei YAAAAAAY tenho que assistir. Mas confesso que não lembrava absolutamente nada da história. E assim fui. Algumas situações foram bem cômicas, outras atingiram os meus nervos como alguns traços da personalidade de Nao.

Nao é uma garota desastrada, engraçada, com aparência mediana, kawaii, mimada demais, não tem muita noção das coisas, não vai bem na escola, intrometida, ela é bem dependente, mas ao longo do enredo começa a ficar um pouco mais despachada. Já Hisashi é um dos três garotos mais populares da escola, é bonitão, tem uma voz agradável, tem boas notas, bom nos esportes, bom em tudo, é responsável, trabalhador, mas não fala muito, não aceita chocolates de valentine's day (aka confissões de amor) aquele frio e distante senpai que todas querem q.  Eles são completamente opostos.

Para complicar as coisas, Hisashi, como disse antes, é um dos três mais populares e é considerado o namorado de todas na escola e o que isso quer dizer? Se ele é de todas, não pode ser de uma. Existem regras bem claras a respeito disso e aquelas que infligem pagaram por essa grande insolência lol. É ai que a vaca vai para o brejo. Obviamente os dois por viverem juntos têm que conversar e o comitê de fãs do Hisashi não gosta nenhum pouco disso. Elas decidem encurralar Nao e saber o que está acontecendo. E essa é uma daquelas situações que me pego falando MIGAS PAREM QUE TÁ FEIO. Para acabar com essa "investigação" tola que pode ir longe demais e revelar que estão vivendo juntos, eles decidem fingir um namoro e aí a plot segue sobre a evolução do relacionamento dos dois.

No começo não estava nada satisfeita com os atores selecionados para mocinhos. Aos poucos eles me ganharam. As caretas que a Fukuhara Haruka fazia eram impagáveis. Era como assistir um anime vivo HAUAHS. E o Shiraishi Shunya conseguiu me convencer de que ele era o Hisashi. Não sei em que altura do drama, estava bem mais implicante com ele, mas foi indo e indo e comecei a ver nele o personagem.

É muito bizarro, beirando o absurdo, os dois vivendo juntos. E a Nao não tem noção do quão bizarro é tudo isso. Nem o Hisashi, as vezes. Uma das coisas que me deixaram muito irritada foi a mania dela de bater o pezinho como criança mimada quando era contrariada em vez de falar, em vez pôr na mesa todos os seus sentimentos. Hisashi não agia assim de bater o pezinho, mas também não era muito de falar. Só que, na minha opinião, ele era transparente em relação à isso, entretanto para Nao era necessário dizer todo dia, toda hora, em todo tempo. Um pouco cansativo, mas ainda assim foi divertido de assistir. Dei boas risadas, é uma comédia romântica light bem bobinha. Se gosta desse estilo, é indicado para você, se não, vá para a próxima casa q